domingo, 9 de janeiro de 2011

Estudo afirma que União Europeia cumprirá meta de 20% de renováveis até 2020

Estudo afirma que União Europeia cumprirá meta de 20% de renováveis até 2020 Energia eólica deve ultrapassar hidrelétrica na região e passar a responder por 14% da demanda
A meta proposta pela União Europeia para reduzir as emissões de carbono - que compreende chegar a 2020 com ao menos 20% de sua energia gerada por fontes renováveis - será cumprida e até mesmo ultrapassada. A previsão consta de estudo da Associação Europeia de Energia Eólica (EWEA, na sigla em inglês), que analisou os planos de ação para a área entregues pelos 27 países membros do bloco à Comissão Europeia. 
Os cálculos da EWEA apontam para uma Europa que, em 2020, atenderá 34% de sua demanda por eletricidade através de fontes renováveis. O destaque fica por conta da energia eólica, que deve liderar os investimentos e ajudar o continente a cumprir seus objetivos. Ao confrontar os planos de cada país, a associação chega à conclusão de que os ventos vão gerar 14% de toda a energia elétrica consumida na Europa em 2020 - 494TWh, vindos de parques que somarão 213GW em capacidade instalada. 
Dos 14% da carga europeia que deverão ser produzidos pelas turbinas eólicas, 10% devem sair de aerogeradores instalados em terra firme, enquanto 4% virão de usinas offshore - construídas em alto mar. Com essa participação na matriz, o vento ultrapassaria a hidreletricidade, que seria responsável, em 2020, por 10,5% da demanda. Em seguida aparecem a geração a biomassa (6,6%), a solar fotovoltaica (2,4%), a solar concentrada (CPS, com 0,5%), a geotérmica (0,3%) e geração a partir do mar (0,1%). 
Ao analisar os projetos individuais dos países, a EWEA afirma que 15 deles planejam ultrapassar as metas estabelecidas, enquanto 10 afirmam que conseguirão cumprir o compromisso. Apenas Luxemburgo e Itália disseram à Comissão Europeia que dificilmante atingirão o objetivo. 
"É muito animador que 25 dos 27 países da União Europeia pretendam exceder ou chegar à meta. Isso mostra que a vasta maioria das nações claramente entendeu os benefícios de implantar tecnologias em energia, particularmente em geração eólica", comenta Justin Wilkes, diretor de políticas da EWEA. 
Fonte: Luciano Costa do Jornal da Energia

Nenhum comentário:

Postar um comentário