segunda-feira, 14 de maio de 2012

Abeeólica: 636MW em usinas ficarão prontas antes de ICGs


Por Luciano Costa - Jornal da Energia

Parques eólicos terão que esperar conclusão de linhas de transmissão para começar a gerar.
A Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica) estima que 636MW em usinas a vento não poderão gerar energia na data prevista, mesmo estando totalmente concluídas. A culpa é da falta de sistemas de transmissão para escoar a produção. Tais parques, viabilizados pelo primeiro leilão da fonte realizado no País, em 2009, seriam conectados a ICGs – centrais de conexão compartilhada – no Rio Grande do Norte e na Bahia.
De acordo com Élbia Melo, presidente-executiva da entidade, os proprietários das usinas são CPFL, Dobrevê Energia e Renova. Apesar da falta de condições para produzir, esses empreendedores receberão a receita acordada nos contratos, uma vez que não tiveram culpa no atraso. Para isso, Élbia acredita que a Aneel fará algum tipo de vistoria nos projetos, para verificar se eles de fato estão prontos e foram prejudicados somente pela falta de ICG.
Tais ICGs, aliás, estão sob responsabilidade da estatal Eletrobras Chesf, que também já vê dificuldades para cumprir o prazo de centrais que vão escoar a energia de eólicas que precisam entrar em funcionamento no ano que vem. A companhia enfrenta problemas com o licenciamento ambiental das instalações, o que prejudicou os cronogramas.
Agenda
A entidade que reúne investidores eólicos calcula que somente 5% dos parques licitados em 2009 terão maiores atrasos, por ainda não terem iniciado obras. Outros 8,1% devem ficar fora de cronograma, mas estão com a construção em andamento. A maior parte, 36,5%, está dentro do prazo e outros 11,1% foram adiantados e já se encontram em operação.
De acordo com o levantamento da Abeeólica, existem ainda 10% de usinas que foram à Aneel pedir postergação das datas por fatos alheios à sua responsabilidade. O certame contratou 1.841MW em parques eólicos, que precisam iniciar a operação em 1 de julho deste ano.
Elbia ainda esclarece que os dados colhidos pela associação diferem dos da Aneel. Isso porque o relatório de fiscalização da agência reguladora se baseia em planilhas pré-prontas, muitas vezes não preenchidas de forma adequada pelos agentes ou apoiadas em critérios próprios. Os números da Abeeólica são resultado de uma consulta feita individualmente a cada investidor.

Siga o blog no twitter

Um comentário:

  1. Oi Marcio,
    Obrigada pela reportagem ela me ajudou em um artigo e Economia que fiz sobre a energia do Brasil.
    Abs,
    Paula Serafini

    ResponderExcluir